Documentário: O mundo global visto do lado de cá

O vídeo mostra vários exemplos ao redor do mundo para elucidar a globalização, demonstrando claramente o desemprego e a falta de perspectiva, além de uma visão um tanto quanto surreal de pessoas que não tem acesso sequer a algo tão importante para a vida quanto a água, a qual tem sido tratada em alguns casos como um bem econômico, não um direito.

Nesse documentário do cineasta Brasileiro Sílvio Tender, com participações e entrevistas de Milton Santos, a globalização é analisada pelo ponto de vista dos povos em países menos desenvolvidos, os quais foram severamente afetados pelas políticas neoliberais. Em várias partes, são mostrados exemplos de como o capitalismo tem como um fim somente o lucro, mesmo que seja ao custo das vidas da população mais pobre. Barreiras são levantadas, às vezes separando um mesmo povo, ou então para tirar acesso das pessoas a coisas que elas necessitam para viver, como recursos naturais.

Milton Santos
Documentário: O mundo global visto do lado de cá. Milton Santos

O vídeo mostra vários exemplos ao redor do mundo para elucidar a globalização, demonstrando claramente o desemprego e a falta de perspectiva, além de uma visão um tanto quanto surreal de pessoas que não tem acesso sequer a algo tão importante para a vida quanto a água, a qual tem sido tratada em alguns casos como um bem econômico, não um direito.

Em um exemplo, ternos que são vendidos por um preço bem caro, não custaram mais do que algumas dezenas de centavos em encargos trabalhistas; isso acontece devido a essa ideia da busca do lucro do capitalismo global que procura países com leis trabalhistas “flexíveis” para reduzir custos à custa dos trabalhadores, colocando-os em situação análoga a da escravidão.

Também é demonstrado que temos sim capacidade para alimentar toda a população, mas, como é argumentado por Milton Santos, os problemas são a distribuição destes alimentos, as barreiras impostas, e a desigualdade social.

O documentário busca demonstrar os efeitos dessa globalização, mas também cita pontos positivos em que revoltas populares ajudaram a trazer de volta ao povo o controle e o poder de ditar os rumos de suas vidas. Finalmente, fica a mensagem de que nós precisamos construir uma verdadeira democracia, em que o povo tenha o poder, não multinacionais e bancos mundiais, para que não sejamos vítimas do totalitarismo do capital, ou como diz Milton Santos, Globaritarismo.

Deixe uma resposta