Como o capitalismo influencia nossa moral

Uma vez que a teoria original de Marx é radical ao dizer que quase tudo se reduz a um sistema econômico, muitos cientistas sociais contemporâneos não concordam que é o caso de absolutamente todos os elementos da superestrutura. Reconhecendo essa crítica porém, é possível compreender, pelo menos, a opinião ou comportamento moral no contexto dessa teoria?

Texto escrito por Dino Mehic originalmente publicado no blog Hectic Dialectics

Base e Superestrutura
Base e Superestrutura

Quando a maioria das pessoas critica o Capitalismo e suas corporações por alegadamente criarem problemas na sociedade, eles são perspicazes em expor e analisar problemas que são muito claros e evidentes. Estes problemas podem variar de mínimos salários de fome, a poluição do planeta, a guerra com fins lucrativos, a desigualdade de riquezas, a ineficiência e muitas outras questões sociais que são concretas e visíveis. Há uma teoria social peculiar e mais abstrata, no entanto, que é menos conhecida, e é a capacidade do capitalismo ou qualquer sistema sócio-econômico de criar e controlar as nossas crenças éticas, as crenças que podem tornar nossos veredictos públicos em qualquer coisa, desde substâncias ilegais, aborto, racismo, sexo antes do casamento a qualquer questão específica de hoje. Com o uso de uma conhecida teoria marxista, neste post examinarei algumas questões éticas históricas e contemporâneas para desenhar relações causais diretas do fenômeno econômico do lucro capitalista para o comportamento ético ou crença. Além disso, por causa de problemas como estes eu defenderei que a teoria deveria ser levada mais a sério, pelo menos no que diz respeito à moralidade de hoje em dia.

Em Uma Contribuição para a Crítica da Economia Política (1859) e outras obras, Karl Marx defendeu uma teoria social particularmente corajosa chamada de base e superestrutura. Para Marx, a base é o sistema sócio-econômica dada de um período de tempo, “socio-econômica” no sentido de como as pessoas trabalham, quem detém e gere seus locais de trabalho, e quem colhe os frutos do trabalho dos trabalhadores, no formato de lucro. A superestrutura é, essencialmente, a categoria que contém todos os outros aspectos da sociedade humana, que inclui a moral/ética, a religião, a família, o Estado, política, direito, comunicação social e assim por diante. Teóricos marxistas argumentaram que a base é o que cria e influencia a superestrutura, e além disso, que a superestrutura é algo que racionaliza e defende a base. Uma vez que os dois grupos estão ligados, uma superestrutura especial muda apenas quando a base faz também. Em sua Crítica da Economia Política, Marx nos dá um esboço de como essa teoria funciona:

“Na produção social de sua existência, os homens inevitavelmente entram em relações definidas, que são independentes da sua vontade, relações de produção adequadas a uma determinada fase do desenvolvimento das suas forças produtivas materiais. A totalidade destas relações de produção constitui a estrutura econômica da sociedade, a base real, em que surge uma superestrutura jurídica e política e à qual correspondem determinadas formas de consciência social. O modo de produção da vida material condiciona o processo geral da vida social, política e intelectual. Não é a consciência dos homens que determina o seu ser, mas a sua existência social que determina sua consciência. Em um certo estágio de desenvolvimento, as forças produtivas materiais da sociedade entram em contradição com as relações de produção existentes ou – isso apenas expressa a mesma coisa em termos jurídicos – com as relações de propriedade no âmbito do qual eles têm operado até agora. De formas de desenvolvimento das forças produtivas, estas relações se transformam em seus grilhões. Começa então uma época de revolução social. As mudanças na base econômica levar, mais cedo ou mais tarde, para a transformação de toda a imensa superestrutura.

[…] Nenhuma ordem social é destruída antes que todas as forças produtivas para as quais é suficiente tenham sido desenvolvidos, e novas relações de produção superiores nunca substituem as antigas antes que as condições materiais de sua existência tenham amadurecido no âmbito da velha sociedade.”

Marx é muito firme e inflexível sobre esboçar uma ligação causal direta entre o sistema econômico de um tempo e os fenômenos descritos anteriormente que compõem a superestrutura. Uma vez que sua teoria original é radical ao dizer que quase tudo se reduz a um sistema econômico, muitos cientistas sociais contemporâneos não concordam que é o caso de absolutamente todos os elementos da superestrutura. Reconhecendo essa crítica porém, é possível compreender, pelo menos, a opinião ou comportamento moral no contexto dessa teoria? Vamos analisar duas possíveis aplicações da teoria de Marx, das quais a primeira será uma função do racismo contra os negros norte-americanos nos dias de escravidão, e a segunda, das opiniões legais e morais sobre a maconha.

banner-post-centro

Em seu influente A História do Povo dos Estados Unidos, Howard Zinn não apenas desempenha o papel de historiador de detalhar as atrocidades do racismo no século 19 dos EUA, mas também argumenta audaciosamente sua função material na sociedade na relação senhor-escravo. Longe de racismo simplesmente ser resultado de discriminação física das pessoas que se parecem muito diferentes uns dos outros, o racismo é uma ferramenta crucial para a classe capitalista escravista para manter escravos em sua posição subserviente necessário para o lucro do proprietário de escravos:

“Pode ser que, na ausência de qualquer outro fator primordial, a escuridão, associada à noite e ao desconhecido, teria de assumir esses significados. Mas a presença de outro ser humano é um fato poderoso, e as condições desta presença são cruciais para determinar se um preconceito inicial, contra uma mera cor, divorciado da humanidade, é transformado em brutalidade e ódio.
[…]
O racismo foi se tornando mais e mais prático. Edmund Morgan, com base no seu estudo cuidadoso da escravidão na Virgínia, vê o racismo não como “natural” a diferença entre negros e brancos, mas algo proveniente do desprezo de classe, um dispositivo realista para controle. “Se os homens livres com esperanças frustradas devessem fazer causa comum com os escravos de esperança desesperada, os resultados poderiam ser piores do que qualquer coisa que Bacon tivesse feito. A resposta para o problema, óbvio se não dito e só gradualmente reconhecido, foi o racismo, para separar os brancos livres perigosos de perigosas escravos negros por uma tela de desprezo racial.”

Por este ponto de vista, o racismo iria descansar sobre a superestrutura e funcionar como algo criado e guiado por uma “base” de Marx, que, neste cenário específico, é a escravidão capitalista. O capitalista tem a propriedade e a gestão legais do local de trabalho do escravo, e lucro criado por escravos a partir dos produtos que este cria, mas não mantém para si. Seria absurdo para nós imaginar uma sociedade americana escravocrata, que argumenta Zinn ter sido historicamente um dos piores tempos do mundo, ausente de ver o grupo subjugado como um povo inferior. Como mencionado anteriormente, a superestrutura, muitas vezes sustenta e defende a base, o que daria ao racismo a função de legitimar e racionalizar a base capitalista. Por exemplo, um ponto comum da ideologia racista era e é o de comparar a aparência, o comportamento e a inteligência dos negros à de macacos selvagens para deduzir que uma pessoa negra não é socialmente apta a viver de forma independente da escravidão. Claramente mostrando crença superestrutural, um escravocrata racista, neste caso, argumenta que a escravidão e sua participação nela são uma necessidade vital para a sociedade.

Mais de um século depois, o capitalismo americano continuou a crescer em concentração e tirar o foco de hierarquias de nível menor, como a escravidão, e se concentrar no modelo corporativo. Isso também abriu o caminho para métodos novos e mais complexos para influenciar a lei e a ética. Durante a maior parte da história humana, incluindo nos EUA, a Cannabis foi uma substância que era livremente produzida e consumida [1]. Em 1619, a Colônia de Jamestown foi tão longe como para impor e incentivar o crescimento da planta por causa de seus benefícios econômicos imensos. Não incluindo os muitos presidentes norte-americanos contemporâneos que admitem o uso de Cannabis, a Cannabis também era uma substância que foi usada e explorada por muitos fundadores de George Washington para Thomas Jefferson [2]. Desprovido de qualquer estigma moral e social para grande parte da história americana, o clima ético e legal que envolvia a maconha começou a mudar dramaticamente começando com o século 20.

O eventual aumento na facilidade de processamento e de acessibilidade da Cannabis em muitas outras formas valiosas, tais como papel e plástico, começou a ameaçar seriamente os modelos de lucro dos capitalistas estabelecidos que possuíam negócios relacionados com estes materiais [3]. William Randolph Hearst, capitalista que possuía a maior rede de jornais do país, regularmente publicava propaganda em seus jornais. Em um exemplo, os homens negros ficavam frenéticos por causa do consumo de Cannabis e estupravam mulheres brancas. O financiador-chefe da empresa petroquímica DuPont, que ainda hoje existe, nomeado Harry J. Anslinger com o Bureau Federal de Narcóticos, em 1931, foi quem fez campanha contra a maconha. Anslinger também pressionou para a lei Uniform State Narcotic Drug Act, que passou em 1934, permitindo os Estados a regularem a substância [4]. A definição de uso ilegal de Cannabis foi continuamente ampliada ao longo dos anos por leis adicionais para finalmente nos trazer para o status quo.

A partir do séc. XX, o capitalismo americano começou a fazer propagandas com sucesso incentivando as massas a desaprovar a Cannabis

Ainda hoje, fazer lobby contra a crescente aceitação e legalização da planta continua a ser puramente dominado por interesses capitalistas cujos modelos de lucro seriam seriamente ameaçados pelo uso legal e mais generalizado da planta. Entre os cinco principais grupos de interesses especiais que o fazem, incluem-se empresas de álcool, prisões privadas, e a indústria farmacêutica [5]. As empresas de álcool teriam de enfrentar concorrência mais séria em relação ao que as pessoas consomem recreativamente, e assim fazem lobby contra as leis para legalizar e taxar a planta, como com a Proposta da Califórnia 19 em 2010. Os cárceres privados, cujas populações são compostas de grandes porções de infratores da legislação antidrogas, permitindo-lhes fazer milhões de dólares por meio do encarceramento, freqüentemente financiam políticos anti-Cannabis e infiltram-se em nosso Estado para combater a legalização. Empresas farmacêuticas entendem que a Cannabis é um substituto altamente eficaz para inúmeros medicamentos que têm efeitos colaterais, e assim eles são o segundo lobby mais tenaz contra a legalização. Os dados mais recentes mostram que a maioria dos norte-americanos apoia a legalização da maconha, e ainda assim isto corresponde a uma maioria de Estados que a mantêm como estritamente ilegal [6]. Com as empresas capitalistas descritas anteriormente, torna-se claro, então, que há um enorme potencial para a economia ser a principal culpada nisto com as corporações influenciando a superestrutura jurídica e ética.

Se a teoria de Marx detém qualquer fundo de verdade no que diz respeito à cultura e à moral, então há um problema sistêmico grave provocado pelo capitalismo que existe em nossa sociedade e que a impacta. Se o problema é sistêmico, então certas abordagens sociais que acreditamos ser necessário que prossigam de forma mais agressiva, vão realizar pouca ou nenhuma influência na sociedade devido a atacar os sintomas e não a doença. Por exemplo, muitos anti-capitalistas acreditam que o governo dos EUA deveria ter ido em uma série de implicações legais de banqueiros e outros capitalistas que contribuíram para a atual crise econômica como em Iceland [7]. Presumivelmente um evento como esse criaria um precedente legal e moral contra outros que jogam o jogo capitalista para nunca repetir uma tal catástrofe. A abordagem sistêmica dos atacantes da ética e do comportamento capitalistas infelizmente não iria achar tal coisa eficaz, como por trás dos tribunais e códigos legais ainda existe o sistema sócio-econômico do capitalismo, que levou esse tipo de comportamento, em primeiro lugar.

Por esta abordagem, uma mudança de paradigma é então necessário para que todos os reformadores e anti-capitalistas se eles quiserem realmente tornar-se mais eficazes na redução do poder do capitalismo na formação de nossas crenças e comportamentos morais. Em vez de apelar para ideias cruas sobre a justiça, a igualdade, e o altruísmo na sociedade capitalista, na esperança de lutar contra sua moral, devemos em vez desempenhar o papel do cientista social como Marx recomendaria e localizar o problema sistêmico: o próprio capitalismo. Ao fazê-lo nós abalaríamos os alicerces da base” de Marx e, consequentemente, causaríamos o seu colapso e da superestrutura também. A sociedade iria finalmente ser livre de tais relações econômicas desenvolvidas sobre a hierarquia e auto-interesse que têm um domínio sobre nossa moralidade, e nós seríamos capazes de abrir o caminho para um novo sistema econômico que permita a possibilidade da sociedade para finalmente entrar nas relações éticas que desejamos.

Referências:

1. http://www.pbs.org/wgbh/pages/frontline/shows/dope/etc/cron.html
2. http://norml.org/marijuana/industrial/item/introduction-5
3. http://wafreepress.org/article/090304marijuana.shtml
4. http://brainz.org/420-milestones-history-marijuana/
5. http://www.republicreport.org/2012/marijuana-lobby-illegal/
6. http://www.gallup.com/poll/165539/first-time-americans-favor-legalizing-marijuana.aspx
7. http://rt.com/op-edge/iceland-bank-sentence-model-246/

banner-post

Deixe uma resposta