Inscrições abertas para o curso “Pele Negra, Máscaras Brancas” – Leituras críticas Frantz Fanon

"Pela negra, máscaras brancas", de 1952, será abordada no curso "Leituras críticas de Frantz Fanon, oferecido pelo Inanna Educação, entre os dias 12 de setembro à 03 de outubro.

Frantz Fanon
Frantz Fanon, “O negro, o obscuro, as sombras, as trevas, a noite, as profundezas abissais, denegrir a reputação de alguém; e do outro lado: a mirada clara da inocência, a pomba branca da paz, a luz ofuscante, paradisíaca”. Foto: Wikipedia.

Frantz Fanon foi psiquiatra e filósofo martinicano, nome central nos estudos pós-coloniais, estudos culturais e africano-americanos. Militante figura chave na luta independentista da Argélia, na época submissa à França, aderindo à Frente de Libertação Nacional. “Pela negra, máscaras brancas”, de 1952, será abordada no curso “Leituras críticas de Frantz Fanon, oferecido pelo Inanna Educação, entre os dias 12 de setembro à 03 de outubro.

O curso se propõe a discutir e entender a importância fundamental dos estudos de Fanon para compreender as relações raciais e de poder contemporâneas. Apesar de ser pensador nuclear na questão colonial, seu de livro “Pela negra, máscaras brancas”, de 1952 – rejeitado pela academia por se contrapor as epistemologias dominantes -,  passou desapercebido no Brasil durante a década de seu lançamento. As ideias de Frantz Fanon foram introduzidas no país pouco antes de sua morte, durante a passagem de Jean-Paul Sartre e Simone de Beauvoir, em 1960.

Seu livro oferece “uma interpretação psicanalítica do problema negro“. Segundo o autor, é necessário que o homem negro se liberte de si mesmo, mas lentamente, porque há dois campos: o branco e o negro. Esta antinomia não é meramente uma oposição de cor de pele, mas uma oposição entre opressores e oprimidos: estes, por sua vez, só podem se libertar negando a interdição promovida pelos colonizadores, afirmando a si próprios.

Fanon examina o olhar do colonizador, “quando me amam, dizem que é apesar da cor da minha pele. Quando me detestam, se justificam dizendo que não é pela cor da pele. Em uma ou outra situação, sou prisioneiro de um círculo infernal”. O racismo, por sua vez, está também na designação do negro, a cor da pele lhe torna uma essência, “o negro, o obscuro, as sombras, as trevas, a noite, as profundezas abissais, denegrir a reputação de alguém; e do outro lado: a mirada clara da inocência, a pomba branca da paz, a luz ofuscante, paradisíaca”.

Tendo em vista que seus  escritos nascem a partir da violência perpetrada pelo regime colonial, o curso ministrado por Marcelo Hailer refletirá sobre o contexto histórico de Fanon, sua vida e luta na Frente de Libertação Nacional da Argélia, organização contra a ocupação francesa.

Este é o primeiro volume do curso, que será seguido do estudo de “Os condenados da terra”, sua obra de 1962.

Informações Gerais

Curso: “Pele Negra, Máscaras Brancas” – Leituras críticas Frantz Fanon vol. 1;
Professor: Marcelo Hailer;
Quando: 12 de setembro a 03 de outubro, aos sábados das 15: as 18:00hs.
Onde: Inanna Educação;
Endereço: rua Conselheiro Ramalho, 945 – Bela Vista | São Paulo – Tel. (11) 9.9651.9107;
Valor: R$150;
Como se inscrever: basta clicar aqui.
banner-post

Deixe uma resposta