Thomas Kuhn – O nascimento da ciência e a crítica ao positivismo científico

Kuhn irá criticar principalmente as noções positivistas na ciência ao explicar como ela surge e funciona. Clique e leia tudo!

Thomas Kuhn (1922 – 1996)Thomas Kuhn (1922 – 1996) foi um físico estadunidense, conhecido por seus trabalhos nas áreas de filosofia e historiografia da ciência. Observando o desenvolvimento científico, ele percebe que a ciência nem sempre é um acúmulo crescente e racional de informações, e muito menos que esse acúmulo se dá de forma unidirecional, levando a um progresso.

Kuhn irá tecer sua crítica a essas concepções ao mesmo tempo que propõe não somente uma nova forma de fazer historiografia, mas também uma nova forma de se ver e analisar o desenvolvimento da ciência.

Ao analisar a história da ciência, Kuhn percebe que, anteriormente ao desenvolvimento de um campo científico, há sempre um número infinito de escolas de pensamento no campo estudado, com as mais diversas e contraditórias concepções de Natureza e dos seus fenômenos; com forte influência da filosofia clássica e da metafisica (Platão, Aristóteles, Demócrito, Epicuro), cada grupo punha ênfase no fenômeno que melhor se adequava sua filosofia.

Tomando como o exemplo da luz, Kuhn exemplifica:

Um grupo considerava a luz como sendo composta de partículas que emanavam dos corpos materiais; para outro, era a modificação do meio que intervinha entre o corpo e o olho; e haviam combinações e modificações além dessas[1]

Não havendo uma única concepção de luz geralmente aceita fazia que fosse necessário reconstruir uma nova teoria por inteiro antes de realizar uma investigação científica do fenômeno:

Por não ser obrigado a assumir um corpo qualquer de crenças comuns, cada autor de óptica Física sentia-se forçado a construir novamente seu campo de estudos desde os fundamentos. A escolha das observações e experiências que sustentavam tal reconstrução era relativamente livre. Não havia qualquer conjunto-padrão de métodos ou de fenômenos que todos os estudiosos da óptica se sentissem esforçados a empregar e explicar[2]

Essas diferenças vão desaparecendo quando um grupo passa a enfatizar apenas “uma parte especial do conjunto de informações demasiado numeroso” dos fenômenos. Isso permite que os cientistas possam se ocupar bem mais detalhadamente de fenômenos selecionados, projetando equipamentos especiais para a tarefa e empregando-os mais sistemática e obstinadamente do que jamais fora feito. Tanto a acumulação de fatos como a articulação da teoria tornaram-se atividades altamente orientadas. O rendimento e a eficiência da pesquisa aumentaram correspondentemente, criando uma visão societária, e não individual, como era antes, dos fatos científicos.

Assim,

No rastro de alguma realização científica notável, o número de escolas é gradualmente reduzido, – em geral, para uma única. Começa, então, um tipo mais eficiente de prática científica. Essa prática é geralmente esotérica e orientada para a solução de quebra-cabeças[3]

Com essa mudança, cria-se um conjunto de fundamentos e práticas que possui uma lógica interna coerente – Kuhn utiliza o jogo como metáfora – um “quebra-cabeças” da realidade, cujas regras orientarão os cientistas a montarem a realidade a partir daquela estrutura apenas, não podendo se valer de menos ou outras regras ou então de outro sistema – a ciência só poderá ser construída a partir dali:

O fim do debate entre as escolas deu um fim à reiteração constante de fundamentos e em parte porque porque a confiança de estar no caminho certo encorajou os cientistas a empreender trabalhos de um tipo mais preciso, esotérico e extenuante[4]

As escolas outras começam a desaparecer gradualmente, já que seus adeptos são atraídos pelo novo paradigma; os outros, insistentes, ou são excluídos da profissão ou seus trabalhos são sumariamente ignorados no meio científico.

Anteriormente aos paradigmas e ao surgimento de uma ciência, os homens muitas vezes olham para os mesmos fenômenos e descrevem coisas diferentes – todas parecendo igualmente importantes – e isso desaparece quando predomina uma das escolas pré-paradigmáticas, que enfatiza apenas uma parte especial de uma gama enorme de informações. Tal triunfo não se dá, portanto, porque explica todos os fatos que a contrapõem, mas porque ela deve parecer melhor que suas outras escolas.

Quando, pela primeira vez no desenvolvimento de uma ciência da natureza, um indivíduo ou grupo produz uma síntese capaz de atrair a maioria dos praticantes de ciência da geração seguinte, as escolas antigas começam a desaparecer gradualmente[5]

Isso confronta a tese de um acúmulo ou de um debate de ideias centralizado: a ciência não se desenvolve de forma totalmente racional, nem segue o melhor modelo ou ouve todas as vozes que publicam seus trabalhos: ela também exclui do meio acadêmico o desviante do padrão.

Com a predominância de uma das escolas pré-paradigmáticas[1a] cria-se modelos, influenciando as pesquisas na tradição científica. Esses paradigmas são pontos de partida na medida em que estabelecem “consensos” entre o que antes tomavam tempo de análise científica; os paradigmas criam não só bases, mas possibilidades e pontos futuros a serem explorados pelas gerações futuras de cientistas. O paradigma também pode criar um novo campo de pesquisa: um grupo que antes apenas se interessava pelo estudo da ciência agora possui uma “filiação”, se agregando; com isso, surgem também a disciplina enquanto instituição: jornais, revistas especializadas, fundação de sociedades de especialistas, que adquire (com o tempo) seu prestígio e autoridade.

O paradigma implica uma definição nova e mais rígida do campo de estudos; aos que não desejam ou não são capazes de se acomodar seu trabalho devem proceder isoladamente ou unir-se a algum grupo[6]

Porém, Kuhn pontua que a mudança de paradigma e a divisa entre a “pré-história” e a história de um campo científico raramente têm sido repentinas ou inequívocas ou graduais. Sua aquisição e sua transgressão geralmente é um sinal de maturidade no desenvolvimento de qualquer campo científico que exista, pois trata-se de uma elevação metodológica, uma evolução que surge pela experimentação e acúmulo de pesquisas.

[as publicações] começaram a mudar: serão publicados artigos ao invés de livros ou manuais inteiros, e eles estarão disponíveis para seus colegas, que compartilharão dos avanços técnicos e científicos – eles adquirem um caráter altamente orientado, tornando-se ilegíveis para o público geral[7]

Ainda assim, muitas vezes, é difícil mensurar aonde começa uma ciência amadurecida ou um paradigma de fato, uma vez que todo paradigma deixa contradições teóricas e práticas, que levará a uma crise no meio científico – até que – em uma revolução científica, se adote um novo paradigma que propõem uma nova forma para responder as antigas perguntas.

Referências

[1] ↑ KUHN, Thomas S. A Estrutura das Revoluções Científicas. 2ª edição. São Paulo: Editora Perspectiva, 1978, p. 32.

[2] ↑ A Estrutura das Revoluções Científicas… p. 33.

[3] ↑ A Estrutura das Revoluções Científicas… p. 222.

[4] ↑ A Estrutura das Revoluções Científicas… p. 38

[5] ↑ A Estrutura das Revoluções Científicas… p. 39.

[6] ↑ A Estrutura das Revoluções Científicas… p. 39.

[7] ↑ A Estrutura das Revoluções Científicas… p.40.

Notas

[1a] ↑ Kuhn opta por chamar de paradigmas as realizações científicas que irão sugerir leis gerais, corpo teórico, aplicação de métodos e instrumentação que agreguem uma comunidade científica.

***

Artigos populares parecidos

A verdade de si em dois regimes distintos: o exame de consciência na antiguidade e a confissão cristã

Sobre o phatos da verdade – Nietzsche

Local de fala ou, qual é a essência da verdade?

Banner-facebook

4 Comments

  1. Muito agradável, didático e explicativo texto sobre Kuhn, quiçá na academia usassem menos “ismos” e “gias”, poderíamos reencontrar o simples prazer na leitura e consequentemente, no aprendizado. Obrigada pela partilha.

  2. Esclarecedor , no fundo penso que um dos pais dessa estruturação cientifica não dogmática devido as diferentes escolas, possuía a razão ´´irritante´´,Descartes ja sabia.

Deixe uma resposta