Atualizando Pessoa

A proposta deste texto é atualizar, trazer para nosso cotidiano, nosso contemporâneo, a famosa poesia de Fernando Pessoa: Navegar é Preciso. Muitos conhecem a frase principal do poema: “Navegar é preciso; viver não é preciso”. Contudo, Pessoa evoca esta frase como gloriosa frase de antigos navegadores. Não é uma frase sua. Ele não reclama o direito desta frase: nós quem o fazemos, quando reduzimos seu poema a um verso. Se o autor julgasse que o verso bastaria, ele não teria se proposto a atualizá-lo como o faz nos versos seguintes: “Quero para mim o espírito [d]esta frase,/ transformada a forma para a casar como eu sou:/ Viver não é necessário; o que é necessário é criar”

Literatura Periférica: Produto De Resistência Contra O Discurso Hegemônico

O espaço urbano é lugar de contradição; é fonte de criação e decadência. Como espaço de expressão de uma civilização (no caso, capitalista), não pode ser compreendido como unidade, uma vez que a divisão de classes é característica intrínseca de tal sistema socioeconômico e pressupõe a existência de discursos antagônicos.

The Mentalist, determinando quem você é com um olhar

The Mentalist é mais uma das séries que tem como fundo um atormentado e talentoso investigador com técnicas extremamente excêntricas. Com um olhar Patrick Jane descobre pormenores de sua vida, mas será que isso é realmente possível? Ou então, por que este tipo de “técnica” é tão convidativa?

Biblioteca Hannah Arendt, Adorno, Benjamin e Habermas – 63 artigos para download

Hannah Arendt. Nascida em Hannover, na Alemanha, em 14 de outubro de 1906, de origem judaica, foi batizada como Johanna Arendt. Tendo perdido o pai com sete anos incompletos, mostrou-se precoce ao tentar consolar sua mãe, Martha Arendt: “Pense – isso acontece com muitas mulheres”, teria dito a menina, para espanto da viúva. Recebeu da…