5 obras de Zygmunt Bauman para você entender o essencial

Zygmunt Bauman foi um sociólogo polonês famoso por interpretar a contemporaneidade a partir de sua ótica da modernidade líquida. Segundo as obras de Zygmunt Bauman, no estágio atual do capitalismo, não há referências seguras para o desenvolvimento da vida: a estrutura econômica é instável, os medos se proliferam e o espaço público deixa de ser…

Livros de autoajuda e o consumo de conselhos – Modernidade e Autoajuda

Da série “Modernidade e Autoajuda”. Os livros de autoajuda são mercadorias especiais na dita pós-modernidade. São objetos feitos de papel, palavras, frases, capa dura e conselhos, mas o que há de especial nos livros de autoajuda não é sua materialidade enquanto objeto físico para venda: eles estão inseridos na lógica de consumo atual como um…

Comunidade – Modernidade Líquida

“Comunidades explosivas precisam de violência para nascer e para continuar vivendo. Precisam de inimigos que ameacem sua existência e inimigos a serem coletivamente perseguidos, torturados e mutilados, a fim de fazer de cada membro da comunidade um cúmplice do que, em caso de derrota, seria certamente declarado crime contra a humanidade e, portanto, objeto de punição”.

Trabalho – Modernidade Líquida

Da série “Modernidade Líquida“. O trabalho na modernidade sólida era considerado exatamente aquilo que iria construir o futuro. As bases do futuro seriam produto de intenso trabalho feito no presente, a quem é confiado o progresso,  pois este por sua vez é uma maneira de entender que o presente é capaz de criar o futuro.…

Emancipação – Modernidade Líquida

Da série “Modernidade Líquida“. Ouça nosso episódio sobre o capítulo Emancipação, de Modernidade Líquida, no podcast do Colunas Tortas. Depois, leia o artigo abaixo, pois ambos não são excludentes! Emancipação A emancipação é um dever: ela se torna necessária, se “libertar da sociedade” – o que significa se afastar de qualquer totalitarismo, na crítica de…

Relações líquidas: a leveza de ser (prefácio) – Modernidade Líquida

“Se o “espírito” era “moderno”, ele o era na medida em que estava determinado que a realidade deveria ser emancipada da “mão morta” de sua própria história – e isso só poderia ser feito derretendo os sólidos (isto é, por definição, dissolvendo o que quer que persistisse no tempo e fosse infenso à sua passagem ou imune a seu fluxo)”.