Tempo de suspeitas

Vivemos todos nesse tempo de suspeitas.

Nuno Ramos
Nuno Ramos

Em que pese o fato de ter sido publicado há quase um mês, o texto “Suspeito que estamos…” (reproduzido no fim da matéria), do escritor e artista plástico Nuno Ramos, ainda merece nossa atenção. Seja pela calorosa recepção que teve, com diversas réplicas; seja pela atualidade das questões levantadas por Nuno. Para quem não leu, vale a pena aventurar-se pela lista de suspeitas.

É difícil dizer se o texto fez tanto barulho por seu conteúdo, por sua forma, ou pelo prestígio do seu autor. Talvez seja um pouco de tudo isso junto.

O estilo adotado por Nuno, enumerando suas suspeitas ao longo de vários parágrafos que se iniciam de forma semelhante, para terminar num estrondoso “Suspeito que estamos fodidos”, sem dúvida é algo digno de nota. Num mundo povoado por tantos especialistas, que dão seus veredictos de forma tão técnica e imparcial, em textos corretos e cinzentos, é certo que a exuberância do texto do artista salta aos olhos.

Se, no plano da forma, a grande maioria dos interlocutores recebeu com entusiasmo o texto de Nuno, não se pode dizer o mesmo em relação ao conteúdo.

O colunista Marcelo Coelho, da mesma Folha de S. Paulo, em que o texto de Nuno Ramos foi publicado, ressentiu-se do fato de não ter entendido bem a mensagem do autor. No seu artigo “Isso passa”, Coelho cobrou “encadeamento lógico” ao texto do artista plástico. Uma cobrança injusta, sem dúvida. Em momento algum, Nuno Ramos se propôs a discutir algum assunto com a autoridade de um especialista. Pelo contrário, logo no início do texto, ele deixa claro que, por não ter domínio sobre nenhum tema específico, ele vai tratar de suspeitas.

É bem verdade que ideias as mais diversas se sucedem numa velocidade impressionante. A violência que permeia a nossa sociedade, as metrópoles que “apodrecem ao sol”, a humilhação a que os pobres são submetidos no programa do Luciano Huck, a falsa intimidade do casal do Jornal Nacional, o domínio da economia sobre a política, nossa dívida interna com os mais diversos personagens sociais… tudo isso se sucede numa associação livre. Um encadeamento lógico entre essa multidão de percepções requereria um tratado – e não apenas um artigo de jornal.

Talvez, o grande mérito do texto tenha sido justamente o debate que suscitou, como bem apontou José Miguel Wisnik, no seu artigo “Suspeitas”. Ao contrário de Coelho, Wisnik é extremamente generoso com Nuno Ramos. Seu artigo chega mesmo a ter um tom apologético, louvando as qualidades do texto, “desse fraseado, dessa espécie de drible ensaístico e poético”, que “vasa as fronteiras entre os assuntos e acaba formulando o que não se diz”.

É nesse ponto que Wisnik exagera em seu elogio. É bem verdade que Nuno “vasa as fronteiras entre os assuntos”. Mas não chega a formular “o que não se diz”. Nesse particular, a análise de Flávio Moura é bem mais lúcida. Em “Ainda o texto do Nuno”, Moura reconhece que alguns insights de Nuno são louváveis, como “a ideia de que se exauriram os efeitos positivos da apropriação da indústria cultural feita pelo Tropicalismo” e a “falência do urbanismo no país”, representada na imagem das cidades “apodrecendo ao sol”. Mas Moura aponta que muitas suspeitas ficaram soltas – muito embora não tenha sido a intenção do autor amarrá-las. E, com suspeitas soltas, não se formula “o que não se diz”.

De fato, o texto de Ramos está mais para uma catarse. A frase final do texto não nos deixa mentir. E, nessa condição de catarse, tem o mérito de trazer à tona uma série de percepções difusas – suspeitas – que nos atormentam nesse Brasil do início do século XXI. Tanto que provocou as mais diversas reações.

Afinal, Nuno não está sozinho. Vivemos todos nesse tempo de suspeitas. Depois de expostas essas suspeitas, estamos diante da tarefa de investigá-las. E, aí sim, formular “o que não se diz”.

Nuno Ramos: Suspeito que estamos…

Há tempos venho tentando responder ao convite para escrever nesta página três. O jornal me propôs vários temas, mas nunca me senti preparado para dar conta de nenhum. Então resolvi escrever sobre o que não sei, mas suspeito.

Suspeito que o tema primordial e decisivo da sociedade brasileira sempre tenha sido, e seja ainda, a violência. A vida no Brasil nunca valeu muito. Hoje vale ainda menos. Giramos em torno disso como um animal preso ao poste. Suspeito que o sentimento de agoridade que nos caracteriza faça fronteira com essa violência. Suspeito que precisaríamos, como contraponto, de maior lentidão e inércia.

Perto da violência, suspeito que tudo saia do lugar. Noções como alto e baixo, direito e esquerdo, bem e mal, certo e errado se confundem. Por estar em toda parte, suspeito que esse tema aproxime-se, entre nós, do impensável, e que traga em seu DNA, como esses vírus de mutações constantes e velozes, alguma coisa metamórfica que sempre se transfigura e escapa.

Suspeito no entanto que haja um vínculo estreito entre violência e burrice urbana. Além de morar em São Paulo, andei recentemente por Salvador, São Luís, Manaus, Natal –suspeito que sejam, todas elas, cidades apodrecendo sob o sol. Quarteirões tombados tombando, de um lado; prédios totalmente desconectados da cidade (além de feios), sem cota nem propósito urbano, de outro. Suspeito que entre o Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) e a especulação imobiliária uma curiosa aliança esteja aos poucos se fazendo –ruínas orgulhosas copulando com despautérios azulejados de 30 andares.

Suspeito que cada detalhe desses grandes centros urbanos esteja em situação igualmente trágica. Suspeito, por exemplo, que quase todas as praias em cidades desse porte tenham ficado estreitas, comprimidas contra um muro de arrimo. Como não podemos mais transportar o paredão dos egoístas (a expressão é de Le Corbusier) cem ou 200 metros no sentido da montanha, suspeito que será preciso aterrar o mar para termos novamente praias em escala decente. Suspeito que muitas vezes as piadas que fazemos com os portugueses se apliquem a nós.

Suspeito que a indústria cultural brasileira seja também ela violenta. Assisti a Luciano Huck “modernizando” a ximbica de um espectador. Vi esse espectador chorar, depois mover os braços como se quisesse abraçar os joelhos do apresentador. Suspeito que isso seja cruel. Suspeito que isso seja cretino.

Suspeito que o tropicalismo tenha naturalizado nossa indústria cultural até um ponto sem retorno, e que o ciclo de conquistas democráticas provenientes dessa operação tenha já se encerrado há décadas. Suspeito que perceber o tiquinho de crueldade que haveria em atirar bacalhau nas pessoas não faça mal nenhum ao país; surpreender um ríspido sargento no modo como Ivete Sangalo dança e canta também não. Suspeito que acessar algo de ridículo no “Jornal Nacional” –a falsa intimidade da dupla, seu balé de rostos virando para a câmera, a ruga na sobrancelha de William Bonner, como um aluno estudioso se preparando para começar uma prova, a gostosíssima Patrícia Poeta descrevendo, e ainda mais com esse nome, a chegada de um tsunami ou terremoto de nove graus na escala Richter– seja uma conquista nacional relevante. Suspeito, no entanto, que nessa área caminhemos para uma verdadeira hagiografia, unilateral e coletiva (daí o esforço, essencialmente religioso, de controlar biografias).

Suspeito que a falência do caríssimo estado brasileiro esteja maquiada por uma espécie de chantagem inconsciente –com uma distribuição de renda como a nossa, sem ele seria ainda pior. Suspeito que esse raciocínio seja imobilista e refém de si mesmo, e que tenhamos perdido completamente qualquer medida de eficiência que permita cobrar o Estado como um prestador de serviços (com a morte galopante da Política, suspeito que seja nisso que ele venha se transformando).

Suspeito que a enorme migração do imaginário político para o econômico nos países desenvolvidos tenha ocorrido após uma razoável distribuição de renda via imposto e conquistas sindicais. A tirania da vida econômica sobre a política, entre nós, se deu num quadro social ainda trágico, que solicitaria muito da política. Suspeito que nossa falta de agudeza e imaginação políticas sejam, por isso, eticamente imperdoáveis. Suspeito que imaginação política no Brasil seria a capacidade de transformar o aumento de renda, a partir do Deus-PIB, em aumento de direitos, a partir do Deus-cidadania.

Tenho 54 anos e suspeito que os únicos projetos nacionais com Pê razoavelmente grande que acompanhei sejam o Plano Real e o Bolsa Família. Suspeito que não estejam tão distantes do imaginário desenvolvimentista, árido e autoritário, dos anos 70 e que afinal isso seja pouco para toda uma geração –e se suspeito que estou sendo injusto com um grupo enorme de pequenos projetos que poderia chamar de redemocratização, que me permitem inclusive escrever isto aqui num grande jornal, suspeito também que isso não passe de obrigação cívica.

Por sinal, suspeito que tenhamos perdido completamente a medida dessa obrigação, e que toda a cultura brasileira venha enfrentando fortes problemas de escala. O que é o máximo? O que é o mínimo? De onde o horror não passa? Dessa vez chega? Qual o limite? Mesmo em casos extremos (conectar um pescoço humano a um poste com uma trava de bicicleta, por exemplo), suspeito que nossa medida continue vaga, elástica.

Suspeito que o termo dívida interna, de memória econômica, descreva bem o país –devemos aos deserdados, aos desocupados, aos desmantelados, aos desabitados, aos destrambelhados e aos desmemoriados. Devemos renda, saúde, educação, claro, mas também avencas, bueiros, ruas, parques, chicletes, remédios tarja preta; devemos água potável, brinquedos, lanternas, poços artesianos; devemos livros, trufas, CDs, lentes de contato, filmes de arte, óculos escuros, museus, proteína, alface. Devemos aos pobres, aos índios, aos pretos e aos pardos, mas também aos albinos, aos esquizofrênicos, aos insones, aos priápicos, aos tiozinhos de padaria, aos mitômanos e aos sexualmente indecisos. Devemos demais aos cães atropelados, prensados contra o “guard-rail”. Devemos aos palhaços de bufê infantil e aos papais noéis de shopping. Suspeito que nossa dívida interna seja impossível de descrever.

Suspeito que deus não exista –ou não tenha paciência para nenhum dos assuntos de que lembrei aqui.

Suspeito que a risada, o pôr do sol, o hino à alegria e o acorde maior estejam sendo de alguma forma privatizados. Suspeito que Paulo Coelho, o padre Marcelo Rossi e o bispo Edir Macedo sejam três faces de uma mesma e última privatização –a do infinito. Suspeito que estatizar essas coisas seja ainda pior.

Suspeito que a Portuguesa vai falir, acabar. Suspeito que Galvão Bueno não vai se aposentar nesta Copa, nem na próxima.

Suspeito que estamos fodidos.

Deixe uma resposta