[E-book] Lendo Georges Canguilhem: O Normal e o Patológico – Segunda Edição

Georges Canguilhem é uma das maiores influências de Michel Foucault. Clique aqui para baixar "Lendo Georges Canguilhem: O Normal e o Patológico" , e-book produzido pelo Colunas Tortas.

Quando estudei medicina, vi um pouco de Canguilhem, mas não entendia o quão profunda poderia ser sua filosofia – precisei começar a pós-graduação em filosofia para compreender sua importância e o livro do Vinicius Siqueira me ajudou demais. Indico este guia para médicos que queiram entender os alicerces de sua profissão e para pesquisadores de filosofia que estejam em busca das bases da epistemologia francesa.

[Marcela Dicoarlo, médica e mestranda em filosofia]

Georges Canguilhem: e-book introdutório "Lendo Georges Canguilhem: O Normal e o Patológico"

A definição do normal não pode ser monopolizada pelo médico. Sua dinâmica é histórica e é isso que Canguilhem quer nos ensinar.

Para aprender Canguilhem com facilidade, você precisa de um guia introdutório.

São R$8,99. Clique abaixo e adquira!

Botão de compra de Lendo Georges Canguilhem: O Normal e o Patológico

 

Georges Canguilhem foi um epistemólogo francês, orientador do doutorado de Michel Foucault (sim, a História da Loucura). Ele é conhecido no Brasil por O Normal e o Patológico, em que realiza a história epistemológica do normal e do anormal. E que diferença isso faz?

Canguilhem retirou o sujeito da dolorosa passividade perante seu corpo e o colocou no centro da definição da normalidade.

Conteúdo do e-book:

  1.  História
    1. Augusto Comte
    2. Claude Bernard
    3. Rene Leriche
    4. As implicações de uma teoria
  2. Ciências do normal e do patológico
    1. O normal
    2. A anomalia e a doença
    3. O normal e o experimental
    4. O homem médio – norma e média
    5. Doença, cura e saúde
    6. Definindo fisiologia e patologia
  3. Resumo
  4. Revisitando 20 anos depois
    1. O normal
    2. A normalização
    3. O erro
  5. A importância de Canguilhem
    1. Norma em Canguilhem e Foucault
    2. Canguilhem como filósofo da emancipação corpórea

Lendo Georges Canguilhem com facilidade

Não é difícil encontrar nestas reflexões de Canguilhem uma certa posição nietzscheana que procura erigir a criação de valores em vontade de afirmação da vida. [Vladimir Safatle, O que é uma normatividade vital?]

O grande objetivo da obra é demonstrar como as noções de normal e patológico foram se formando com o desenvolvimento do discurso médico e, por fim, demonstrar que é o próprio sujeito aquele que deve afirmar estar doente ou não. Quem faz as regras do próprio corpo é o sujeito, não um médico, não uma instituição.

O problema é que O Normal e o Patológico, de Canguilhem, é um livro com capítulos densos, que exigem prévio conhecimento da epistemologia francesa.

  • Entenda:

Para compreender esta obra e conseguir combater a visão estreita e passiva que a medicina tem a respeito dos pacientes, é necessário um guia didático e detalhado.

“Lendo Georges Canguilhem: O Normal e o Patológico” é o livro introdutório escrito por Vinicius Siqueira para facilitar sua leitura.

Vinicius é pós-graduado em Sociopsicologia pela Escola de Sociologia e Política de São Paulo e editor do Colunas Tortas e decidiu escrever o e-book para fornecer o primeiro conteúdo sintetizado e de fácil compreensão sobre o marco da obra de Canguilhem.

Além de ter em seu PC, tablet e celular o único livro introdutório detalhado e dedicado a Georges Canguilhem em português, há também dois artigos para discutir as relações do autor com Foucault e mostrar seu contexto geral.

Começando a ler agora, você vai conseguir entender como o sujeito é o dono de seu corpo na filosofia francesa e ter acesso a uma das maiores influências da análise discursiva foucaultiana.

Georges Canguilhem e a epistemologia

A teoria epistemológica francesa passou por mudanças gradativas na metade do século XX: Bachelard foi entronado como ícone da filosofia das ciências; Georges Canguilhem – seu aluno e nosso protagonista nesta apresentação – levou a frente sua filosofia, unindo a história das ciências com a epistemologia histórica e teve alunos que se tornaram expoentes, como Bourdieu e Foucault.

Canguilhem foi filósofo e médico: fez um caminho diferente dos epistemólogos de sua época.

Era comum, nos anos 30 e 40, o epistemólogo cursar medicina para estudar psicopatologia e tentar trazer a psicologia de volta para a área humana do conhecimento (na época inserida na biologia como uma ciência de condicionamentos). Mas o autor percebeu que poderia estudar outra coisa.

Georges Canguilhem estava preocupado com a fisiologia: como conceber o conceito de vida? E o conceito de normal? A doença depende do doente ou só do médico?

O filósofo francês tem uma noção vitalista da saúde e da doença: a verificação médica depende sempre do sentimento de desconforto do paciente e em toda a história da medicina foi assim: nesta ciência, o phatos precede o logos.

Desta forma, a doença não é uma situação objetivamente analisada pelo médico, ela é uma situação de desconforto e desadequação sentida pelo próprio doente, que não consegue normatizar sua vida, não consegue construir outras regras para viver, pois só vive segundo as regras que a doença permite.

Isso tudo por conta de uma grande característica da vida: viver é estabelecer normas para a vida.

Não é possível viver fora de normas, no entanto, as normas possíveis de se viver são normas socialmente construídas, diz Georges Canguilhem: o normal não é igual em qualquer canto do mundo. Sendo assim, o sonho científico de definir os padrões normais de saúde do humano não pode ser feito com tanta facilidade: variações geográficas, sociais e nutritivas acarretam variações no normal estabelecido.

O e-book explica O Normal e o Patológico de Canguilhem capítulo a capítulo, acompanha o estudo e sintetiza os argumentos do autor. É a melhor maneira de compreender Georges Canguilhem, entender sua sacada sobre a definição do normal ser do sujeito, não do médico, e conhecer as bases para a obra Foucaultiana.

Adquira Lendo Georges Canguilhem: O Normal e o Patológico

Georges Canguilhem: guia de leitura "Lendo Georges Canguilhem: O Normal e o Patológico"

Depois de ler este e-book, você vai conseguir pesquisar e escrever sobre a filosofia francesa do século XX (Foucault, Bourdieu, Deleuze, Derrida entre outros).

Georges Canguilhem é a porta de entrada para a heterodoxia francesa, para as análises mais inventivas do século passado – que ecoam vivamente até hoje, como em Judith Butler, Roberto Machado e Antonio Negri.

São R$ 8,99. Você pode pagar com cartões de crédito visa, master, amex e hipercard, além de adquirir via paypal e boleto bancário.

Clique abaixo e adquira!

Comprar Introdução a Georges Canguilhem

8 Comments

Deixe uma resposta