Zygmunt Bauman e a sociedade líquida

Sociedade líquida: Bauman desvendando algumas características da sociedade dita pós-moderna.

O vídeo abaixo introduz ao assunto e está em nosso canal do Youtube. Lá publicamos nosso podcast. Depois de vê-lo, leia o artigo abaixo:

O que é sociedade líquida? Bauman explica sua teoria

Surge o conceito de sociedade líquida. Bauman aparece como seu arauto. O que é isto? O que é a sociedade líquida? Para Zygmunt Bauman, a sociedade atual pode ser classificada como uma modernidade líquida (que seria uma substituição do termo “pós-modernidade”, que se tornou muito mais uma ideologia do que um tipo de condição humana, como diz o autor), em contraposição à modernidade sólida que seria a modernidade propriamente dita, da época da guerra fria e das guerras mundiais.

Qual a grande diferença? Pode-se começar pelo fim das utopias. A sociedade líquida, ao contrário do que ocorreu durante o século XX, não pensa a longo prazo, não consegue traduzir seus desejos em um projeto de longa duração e de trabalho duro e intenso para a humanidade. Os grandes projetos de novas sociedades se perderam e a força da sociedade não é mais voltada para o alcance de um objetivo.

Bauman e a sociedade líquida

A utopia era a maneira de perceber que a realidade atual precisava ser modificada somada com a força para sua modificação (a esperança no potencial humano de transformação). Ou seja, havia a constatação de que o mundo precisava ser mudado e interações sociais suficientes para criar grupos, para engajar pessoas e para movimentar nações de maneira que as modificações pudessem ser feitas. Estas duas condições básicas para a sustentação da utopia desaparecem quando a sociedade começa a ser desregulamentada e desordenada.

Sociedade líquida: Bauman sobre desregulamentação e desordem

Para o autor, o fim das utopias é a perda do caráter reflexivo em relação a sociedade e, por consequência, a perda da noção de progresso como um bem que deve ser partilhado. A busca do prazer individual é o fim último da sociedade líquida. Bauman explica que a sociedade atual é desregulamentada, pois o mercado é aquilo que dita as regras e as regras do mercado são marcadas pelo objetivo econômico capitalista: a aniquilação dos concorrentes e o sucesso com os consumidores. A vida também passa a ser desordenada, já que não há mais as claras divisões que antecediam a pós-modernidade (como a divisão do bloco comunista e do bloco capitalista).

Uma corrente de incerteza e insegurança guia o sujeito pós-moderno, que não tem mais referencial nenhum para construir sua vida, a não ser ele mesmo.

A liquidez da sociedade se dá pela sua incapacidade de tomar forma fixa, dirá Zygmunt Bauman. Ela se transforma diariamente, toma as formas que o mercado a obriga tomar, não propicia a elaboração de projetos de vida (como ter um projeto de vida quando os antigos empregos para toda a vida já não existem mais? Como planejar sua vida sendo freelancer de um projeto de três meses em uma agência de publicidade qualquer? Como fazer um projeto de vida se cortes acontecem semestralmente e se funcionários fixos são cada vez mais trocados por terceirizados ou por contratos de pessoa jurídica?)

Zygmunt Bauman

Zygmunt Bauman e a alegoria dos caçadores e jardineiros

Bauman ainda utiliza a metáfora do caçador e jardineiro para simbolizar a era pré-moderna e moderna. Segundo Zygmunt Bauman, na era pré-moderna, a metáfora do caçador descreve melhor a presença humana na terra: o caçador é aquele que protege seus terrenos de qualquer interferência externa e acredita num equilíbrio da natureza. O caçador vê uma estabilidade funcional na presença de cada elemento no mundo e não se importa em acabar com os recursos de um dado espaço, pois pode se mover para outro espaço e utilizar mais recursos.

A vida do caçador é feita de guerra com outros caçadores e proteção do ambiente que se explora.

Já na era da modernidade, a presença humana parte para uma visão reflexiva da sociedade, pautada numa noção de progresso que envolve projetar aquilo que se quer fazer antes da ação. O jardineiro sabe quais plantas devem ser plantadas e quais devem ser cortadas, ele também entende que a ordem no mundo depende do esforço de cada um, não de uma lei exterior.

Segundo Bauman, quando a utopia passa a ser deixada de lado na sociedade líquida, o caçador volta a tomar lugar do jardineiro e as regras fixas do equilíbrio da natureza voltam a produzir formas variadas e variantes, em que a condição humana volta a ser dominada por uma angustia e insegurança insustentáveis.

E-book Modernidade Líquida: Uma Introdução

26 Comments

    1. Muito bom, mas faltou colocar a fonte… onde Baumann disse o que está escrito no artigo? Num livro, numa entrevista (sei que ele disse isso em vários lugares e momentos, mas é legal colocar alguma fonte sim…)

      1. Sim, este artigo ainda é da fase do Coluna Tortas mais ensaística e sem rigidez formal.

        Ainda iremos reformá-lo para adequar à nossa nova fase.

        Obrigado pelo comentário, abraços!

  1. grande mestre professor,zygmunt bauman a onde ele fala que a sociedade liquida ,e uma metáfora bem pensado para retrata um modelo vigente de sociedade subjugada á velocidade dos fatos,ao avanço tecnológico e ao sistema que envolve os indivíduos no mundo consumo.

Deixe uma resposta