Livro da semana: Mitocrítica e poesia: Regimes, Imagens e Mitos na Poética de Lucinda Persona – Marta Cocco

Marta Cocco é doutora em Letras e Linguística e professora na Universidade do Estado de Mato Grosso. Clique aqui, leia a apresentação e baixe o livro!

Por Rodrigo Brito[1], em colaboração com o Colunas Tortas.

Mitocrítica e Poesia, de Marta Cuocco.
Lançado este ano, pela editora Carlini & Caniato.

A obra Mitocrítica e poesia: Regimes, Imagens e Mitos na Poética de Lucinda Persona, de Marta Helena Cocco, recém-publicado pela editora cuiabana Carlini & Caniato, fora lançada no dia 11 de março, data de aniversário da escritora presenteada com o livro que pesquisa a sua poética – Lucinda Persona.

Marta Cocco, doutora em Letras e Linguística (UFG, 2013) e professora na Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT), pesquisa a Literatura produzida no Mato Grosso e na obra em questão, atualizou a sua pesquisa de doutorado, cujo estudo associado à linha de pesquisa Literatura e Imaginário, analisou, com base na abordagem crítica de Gilbert Durand (1921-2012) cinco livros de poemas de Persona: Por imenso gosto (1995), Ser cotidiano (1998), Sopa escaldante (2001), leito de Acaso (2004) e Tempo comum (2009).

Lucinda Persona formou-se em Biologia (UFMT, 1970), é mestre em Histologia e Embriologia (UFRJ, 1981), professora aposentada da UFMT e publicou o seu primeiro livro, Por imenso gosto, com Massao Ohno (1936-2010) – editor que apresentou Hilda Hilst (1930-2004), Roberto Piva (1930-2010) e Claudio Willer para a Literatura Brasileira. Residente em Cuiabá, a escritora é uma imortal da Academia Mato-grossense de Letras.

Sobre a escolha de investigar a obra poética de Lucinda Persona, Cocco explica:

A escolha da escritora não foi aleatória. Pesquisar uma autora ou um autor residente em Mato Grosso, estado onde vivo, sempre foi estimulante para mim e, dentre todos, escolhi Lucinda Persona por acreditar na qualidade da sua obra e, principalmente, porque seus poemas me emocionam. Desde que li o primeiro texto (alegria é cristal de açúcar), lá pelos idos de 1997, num calendário de mesa, produzido pela ADUFMAT, na UFMT, senti que estava diante de uma grande literatura. Foi amor à primeira vista[2]

O livro é prefaciado pelo pesquisador José Alexandre Vieira e está dividido em quatro seções: “Preâmbulos da pesquisa”, “A poeta, os gestos do eu lírico e a relação com os regimes de imagens”, “As imagens e os mitos na perspectiva da mitocrítica” e “Sob a tirania da finitude, a pulsão da vida”. Para brindar ainda mais o leitor, no término da obra contém uma bela e sensível entrevista com a poeta.

A editora Carlini & Caniato disponibilizou a obra para leitura ou download. Vale a pena conferir esse estudo minucioso realizado pela Marta Cocco e conhecer a poética de Lucinda Persona.

Para baixar o livro, clique aqui.

Notas

[1] Rodrigo Brito, autor de Solstício ao Luar (2013) e VISÕES (2015).

Referências

[2] COCCO, Marta. Mitocrítica e poesia: Regimes, Imagens e Mitos na Poética de Lucinda Persona. Cuiabá-MT: Carlini & Caniato Editorial, 2016, p. 11

***

Artigos populares parecidos

Poesia surrealista a todo vapor com Rodrigo Brito e o Solstício ao Luar

André Breton: surrealismo em seu início alucinante

Rene Magritte: obras de uma mente sem limites

Banner-facebook

Deixe uma resposta