A Arqueologia do Saber – Michel Foucault: resenha detalhada [E-book]

Foucault e a ArqueologiaA análise do discurso é um dos elementos mais notáveis da filosofia de Michel Foucault, entretanto, sua escrita é tortuosa e complicada ao longo de todas as suas obras.

Suas pesquisas são complexas e exigem atenção em todo desenvolvimento.

A tarefa do e-book Foucault e a Arqueologia é guiá-lo calmamente por todo o trajeto da arqueologia foucaultiana. Está em formato ePUB, pra você ler em seu celular, tablet ou computador.

São R$9,99. Clique abaixo e adquira!

Foucault e a Arqueologia

arqueologia do saber
Edição francesa da Arqueologia do Saber.

Em 1969, A Arqueologia do Saber, de Michel Foucault, foi lançado. Logo após Maio de 68 e no limite de sua fase arqueológica, o autor tomou a iniciativa para fazer algo que nunca tinha feito antes.

É neste livro que, pela primeira vez, Foucault tenta explicar seu método sistematicamente. Não era seu estilo já que o filósofo costumava tomar um objeto e aplicar seu procedimento, modificando seus conceitos conforme a necessidade pedia.

Foi nessa toada que o episteme nasceu em seus primeiros livros e morreu na fase genealógica, que o dispositivo surgiu e nunca foi utilizado rigorosamente da mesma maneira em toda sua obra.

Mas o próprio autor explica o que realmente interessa para a arqueologia em seu livro.

Arqueologia do Saber: Michel Foucault como professor

As historias arqueológicas são moveis, pois deslocam-se pelos discursos e pelas praticas em suas camadas, contornam os saberes procurando descrever e individualizar os enunciados discursivos[1].

O que marca o lançamento da Arqueologia do Saber é o impulso de Michel Foucault em dar sentido aos livros anteriores – aplicações do método explicado:

1) Em História da Loucura, Foucault descreve o caminho do conceito de loucura pela história até se tornar objeto da recém-criada psiquiatria. As práticas de terapia, os locais de isolamento (como manicômios e prisões) e a relação do restante da sociedade com os desrazoados são detalhadas ao longo do grosso volume, segundo Roberto Machado[2],

Não é a unidade do objeto loucura que constitui a unidade da psicopatologia. Ao contrário, é a loucura que foi construída pelo que se disse a seu respeito, pelo conjunto dessas formulações. Segundo, a organização de um discurso também não é presidida por sua forma de encadeamento, um modo constante de enunciação, um “estilo”. Trata-se antes de um grupo de enunciações heterogêneas que coexistem em uma disciplina, como a clínica médica por exemplo. Terceiro, a unidade de um discurso não pode ser buscada em um sistema fechado de conceitos compatíveis entre si, que seria o núcleo de base a partir do qual os outros seriam derivados, e que formaria uma espécie de “arquitetura conceitual”. É preciso explicar o aparecimento de novos conceitos, alguns até incompatíveis com os outros, o que só é possível pela definição de um sistema das regras de formação dos conceitos;

2) O Nascimento da Clínica marca a conquista da cientificidade pela medicina. Claro que Foucault não a fez ciência, mas explicou como a percepção dos médicos se alterou de tal maneira que as descrições se detalharam e o olhar médico tornou-se voraz.

3) Palavras e as Coisas é a bíblia do nascimento das ciências humanas. É alí que Foucault trabalha principalmente com a transformação da análise das riquezas em economia política, da gramática geral em filologia e da história natural em biologia. Por fim, demonstra como o conceito de homem nasceu.

Em todos esses livros, Foucault procurou encontrar as formações discursivas que deram abertura ao nascimento de cada discurso.

A formação discursiva, por sua vez, é um “sistema de dispersão […] [E uma regularidade] entre os objetos, os tipos de enunciação, os conceitos, as escolhas temáticas”. E só podemos chamar de discurso “um conjunto de enunciados que se apoiem na mesma formação discursiva”[3].

Para além da designação dos signos, o discurso é também a formação, a possibilidade e a configuração desses signos com relações de poder, hierarquias, exclusões, inclusões e obstruções. O discurso não está nem limitado às palavras, nem às coisas. O discurso não é uma unidade monolítica,

A dita unidade de um discurso, como uma ciência por exemplo, unidade procurada nos níveis do objeto, do tipo de enunciação, dos conceitos básicos e dos temas, é na realidade uma dispersão de elementos[4].

A análise do discurso, portanto, ao procurar por uma lei de coexistência entre os enunciados, busca uma lei de dispersão,

Mas com que objetivo? Para estabelecer regularidades que funcionem como lei da dispersão, ou formar sistemas de dispersão entre os elementos do discurso como uma forma de regularidade[5].

Esses sistemas de dispersão são as formações discursivas.

Ao encontrar as formações discursivas, Foucault nunca pretendeu delinear uma teleologia fatalista, uma determinação impossível de fugir. Pelo contrário, a arqueologia é o instrumento de conservação das possibilidades, não é uma faca de corte reto.

Esta característica é vista inclusive nas quatro frentes de análise delineadas por Foucault. São nesses quatro feixes de relações em que é possível encontrar pelas regras de formação do discurso, são eles: os objetos; os conceitos; as modalidades enunciativas e as estratégias. A pesquisa em cada frente das citadas acima forma sistemas diferentes que não se hierarquizam idealmente, mas sim na própria prática do discurso, e que foram um sistema quando relacionadas entre si,

Não há justaposição nem autonomia absoluta, mas um sistema vertical de dependência. E essa hierarquia de relações também não privilegia nível algum, na medida em que se dá nos dois sentidos, fazendo um nível sempre depender do outro em sua formação[6].

Desta forma, a história se desloca e é vista em séries, os enunciados se ligam mesmo fora da linha cronológica, as teorias e os conceitos se subordinam às regras intersticiais das formações discursivas e a prática acontece de maneira que, quando menos se percebe, a configuração social se alterou.

Aliás, está aqui outro ponto importante: a análise discursiva está diretamente relacionada à análise não-discursiva. Na medida em que o discurso é o objeto principal e o foco de estudo da arqueologia, ela não se protege dos acontecimento de ordem técnica, econômica, social ou política, estabelecendo articulações para apresentar novos jogos de relações que antes não seriam vistos.

Essas duas ordens podem ser relacionadas como? É difícil responder, Foucault não elabora uma sistemática para a articulação do discursivo com o não-discursivo, não chega a teorizar nada na Arqueologia do Saber, mas fica óbvio que não se trata de uma simples determinação do discursivo pelo não-discursivo,

Para Foucault, essa relação é muito mais complexa, e sua tentativa é mostrar que articular discurso e não-discurso é articular regras de formação dos discursos e formação não-discursiva[7].

Apesar de não teorizar sistematicamente sobre este assunto, a inter-relação entre as duas ordens é feita por Foucault em suas obras anteriores, mas não necessariamente a partir do mesmo modelo. Isso porque Foucault critica a determinação do discurso pelo não-discursivo, mas também vai contra a dita análise simbólica, que estabelece uma relação de reflexibilidade simétrica entre ambas as ordens.

Deleuze[8] compreendeu a crítica de Foucault e soube comentá-la em seu livro sobre o autor,

Uma “época” não preexiste aos enunciados que a exprimem nem as visibilidades que a preenchem. São os dois aspectos essenciais: por um lado, cada estrato, cada formação histórica implica uma repartição do visível e do enunciável que se faz sobre si mesma; por outro lado, de um estrato a outro varia a repartição, porque a própria visibilidade varia em modo e os próprios enunciados mudam de regime.

A relação estabelecida entre as relações discursivas e as não-discursivas é sempre única, sem obedecer a um modelo estático e inflexível. Cada arqueologia mostra uma permeabilidade diferente do discurso pelos acontecimentos não-discursivos, sendo tarefa do arqueólogo descobrir até que ponto esta articulação existe.

A arqueologia, portanto, se situa como um procedimento para apreender os limites e as articulações que um saber determinado pode mostrar. Não é um procedimento que precisa ser aplicado em ciências – a formação das ciências foi um objeto que Foucault utilizou pela abrangência de dados e pesquisas históricas -, mas sim em saberes: em conjuntos sistemáticos de enunciados e posições possíveis para o sujeito, junto com técnicas e tecnologias instrumentalizadas.

A arqueologia não procura descrever os discursos das disciplinas cientificas em sua relação com as verdades que estes discursos podem revelar, mas procura descrever seus limiares, seus limites e pontos de cruzamento, o que Foucault chama de um “emaranhado de interpositividades” dessa forma podemos aceitar que na prática operada por Foucault a arqueologia estaria em uma nova região do conhecimento, e não compreender isso como ponto de partida é arriscar ao erro qualquer investigação sobre a arqueologia[9].

O discurso não é um meio, mas é também um fim. O desejo está presente, mas não como um desejo que instrumentaliza o discurso, é um desejo pelo discurso.

O projeto de resenha detalhada

Foucault e a Arqueologia

Abaixo, você consegue ver cada capítulo e cada seção resenhados.

Entretanto, todos estão no site do Colunas Tortas, mas você pode adquirir o e-book Foucault e a Arqueologia, com todas as resenhas completas e reunidas em um livro digital no formato ePUB.

O e-book é composto por todos os capítulos do livro e você conseguirá entender a análise do discurso foucaultiana com um texto simples, de fácil leitura e boa interpretação.

São R$9,99. Clique abaixo e adquira!

Conteúdo do e-book Foucault e a Arqueologia:

  1. Introdução
  2. As Regularidades Discursivas
    1. As Unidades do Discurso
    2. As Formações Discursivas
    3. A Formação dos Objetos
    4. A Formação das Modalidades Enunciativas
    5. A Formação dos Conceitos
    6. A Formação das Estratégias
    7. Observações e Consequências
  3. O Enunciado e o Arquivo
    1. Definir o Enunciado
    2. A Função Enunciativa
    3. A Descrição dos Enunciados
    4. Raridade, Exterioridade, Acúmulo
    5. O A Priori Histórico e o Arquivo
  4. A Descrição Arqueológica
    1. Arqueologia e História das Ideias
    2. O Original e o Regular
    3. As Contradições
    4. Os Fatos Comparativos
    5. A Mudança e as Transformações
    6. Ciência e Saber

São R$9,99. Clique abaixo e adquira!

Referências

[1]RAGUSA, Pedro; JOANILHO, André Luiz. Arqueologia do Saber e a História. Artigo apresentado em evento na Universidade Estadual de Londrina. p. 1720.

[2] MACHADO, Roberto. Foucault, a Ciência e o Saber. Edição Kindle, location 2854-2865.

[3] FOUCAULT, Michel. A Arqueologia do Saber.

[4] Foucault, a ciência e o saber… location 2865-75.

[5] Foucault, a ciência e o saber… location 2865-75.

[6] Foucault, a ciência e o saber… location 2918-29.

[7] Foucault, a ciência e o saber… location 2939-50.

[8] DELEUZE, Gilles. Foucault. São Paulo: Ed. Brasiliense, 2005, p. 58.

[9] Arqueologia do Saber e a História… p.1720.