Acontecimento discursivo – Michel Pêcheux

O acontecimento discursivo entra como conceito-chave na obra de Pêcheux a partir de sua terceira fase. O pioneiro da Análise do Discurso Francesa (AD) criou o conceito para dar conta da variação de sentido alcançada por enunciados após sua prática. Por fim, o exemplo da Marcha das Vadias é utilizado para mostrar a funcionalidade analítica do conceito proposto.

Da série “Michel Pêcheux: Conceitos Fundamentais“.

O Discurso: Estrutura ou Acontecimento.
Livro O Discurso: Estrutura ou Acontecimento, de Pêcheux, de 1983. Clique na imagem e compre o livro.

O conceito de acontecimento discursivo entra na terceira fase dos desenvolvimentos da Análise do Discurso Francesa (AD). Ele faz parte do esforço de Michel Pêcheux em entender o discurso enquanto objeto que transita entre estrutura e acontecimento, assim, conseguir explicar a impossibilidade de delimitar por completo as variações semânticas de um discurso e identificar onde ocorrem as rupturas que o transformam a cada novo momento marcante da história.

Antes de discutir o conceito de acontecimento discursivo, é necessário entender que Pêcheux conceitua o que ele chama de acontecimento no livro que representa o marco de sua terceira fase. Pêcheux afirma que o acontecimento se situa “no ponto de encontro de uma atualidade e uma memória”[1]. Aqui, é interessante utilizar o poder de síntese de Freda Indursky para destrinchar essa frase: segundo a autora, a possibilidade de se repetir um enunciado se deve a sua existência numa estrutura vertical, numa estrutura que pode ser a formação discursiva que afeta o sujeito ou o interdiscurso. Num nível horizontal, há a estrutura do intradiscurso, que é a prática discursiva do sujeito, sua formulação imediata, é o ato de enunciar no presente. Assim, enquanto a estrutura vertical garante a existência anterior do enunciado (pois ele não é criado pelo sujeito) a estrutura horizontal garante sua atualização, pois dá conta da formulação do enunciado na prática discursiva.

A fala de um sujeito do discurso se dá justamente neste ponto de encontro entre estrutura vertical e estrutura horizontal, entre interdiscurso e intradiscurso. Este ponto é o onde a memória e a atualidade se encontram, portanto, é o local do acontecimento. É ali onde o enunciado é repetido, atualizado, rememorado ou re-significado.

Já em Papel da Memória, Pêcheux conceitua de fato o acontecimento discursivo e o coloca como ruptura da memória que seria eternizada através do interdiscurso, da estrutura vertical. O acontecimento discursivo nasce do choque da atualidade com a memória que não produz repetição, mas sim re-significação. A tentativa da memória em manter uma regularização das séries enunciativas, ou seja, em formar uma lei da série do legível, uma lei que coloca um enunciado na fronteiro do outro e define a possibilidade de sua prática, pode sempre ruir quando encara um acontecimento discursivo[3].

a memória tende a absorver o acontecimento, como uma série matemática prolonga-se conjeturando o termo seguinte em vista do começo da série, mas o acontecimento discursivo, provocando interrupção, pode desmanchar essa “regularização” e produzir retrospectivamente uma outra série sob a primeira, desmascarar o aparecimento de uma nova série que não estava constituída enquanto tal e que é assim o produto do acontecimento; o acontecimento, no caso, desloca e desregula os implícitos associados ao sistema de regularização anterior.[4]

Pode-se compreender que o acontecimento discursivo provoca uma nova possibilidade para o enunciado produzir outros significados, entretanto, ele não apaga os significados anteriores. Ele instaura uma relação tensa com a memória que tenta adequá-lo na ordem da repetibilidade e com o discurso novo, que precisa re-significá-lo[5].

Podemos exemplificar tudo que foi explicado acima através do artigo de Amanda Rassi, em que trata do acontecimento discursivo promovido pela Marcha das Vadias[6].

Rassi mostra como a frase infeliz do policial Michael Sanguinetti sobre os casos de estupro na Universidade de Toronto, em janeiro de 2011, foi mote para a re-significação da palavra “vadia”. Sanguinetti declarou que “as mulheres deveriam evitar se vestir como vadias para não serem vítimas”, imputando a culpa pelo estupro às próprias mulheres estupradas. Após isso, o termo “vadia” foi apropriado pelo movimento feminista e utilizado em protestos, tendo como marco a Marcha das Vadias, que teve sua primeira edição no dia 03 de abril de 2011, em Toronto.

Segundo Pêcheux, o acontecimento histórico é “um elemento histórico descontínuo e exterior”[7], é um evento que causa nova leitura dos acontecimentos. Rassi identifica na Marcha um acontecimento histórico, um evento que enseja repetição, que provoca descontinuidade.

A Marcha das vadias não representa apenas um acontecimento histórico, mas principalmente um acontecimento discursivo: o nome “vadias” foi posto em cheque para conquistar um novo significado, transformando-se assim numa palavra de ordem do movimento feminista.[8]

Depois do acontecimento histórico das marchas promovidas pelo movimento, o termo “vadia” entrou em choque com a memória discursiva e se rebelou, possibilitando novos significados. A vadia, em locais específicos e sob um discurso específico, passou a ser a mulher dona de seu corpo, livre e que, por isso, não pode ser culpada pela violência masculina.

O segundo exemplo do acontecimento discursivo pode ser retirado do artigo de Indursky: a análise do enunciado “Lula lá”, utilizado nas campanhas de Lula, mostra o sentido de inatingibilidade exprimido pelo “lá”. Este “lá” é o local até então nunca alcançado. Derrotado nas eleições presidenciais de 1989, 1994 e 1998, foi somente com o acontecimento histórico de sua eleição em 2002 que o enunciado tomou outra significação.

E, à medida que as urnas iam sendo apuradas, começamos a perceber, naquela noite, que Lula lá não era mais um sonho, um objeto inalcançável de desejo, uma utopia, um impossível. E foi exatamente esta transformação, que levou da utopia à realidade, que produziu o acontecimento.[9]

A ruptura provocada por sua eleição, que colocava um operário sem diploma universitário, filho de nordestinos e que veio para São Paulo conduzido por um pau-de-arara, produziu um acontecimento discursivo. Se “Lula lá” significava “Lula quase lá”, “Lula quase presidente”, foi re-significado em “Lula lá, Lula em Brasília”, mas não se trata somente de um jogo de palavras. O enunciado marcou uma vitória do povo nunca antes conquistada, vitória essa expressada primorosamente pelo próprio presidente em seu primeiro pronunciamento, “a esperança venceu o medo”.

a esperança daqueles que necessitam de tudo, que de tudo estão privados e excluídos, que não têm emprego, que não têm casa, que não têm saúde, que não têm escola, que não têm alternativa, que não têm medo de Lula lá, em Brasília, no Palácio do Planalto, a esperança dos sem-voz foi capaz de vencer o medo daqueles que têm medo de Lula lá.[10]

Apesar de manter a mesma forma linguística, o sentido de “Lula lá” deriva, já que pertence a outra materialidade discursiva, já que não é mais o mesmo enunciado, pois não se relaciona com os mesmos enunciados que se repetiam com ele em suas sucessivas derrotas. “Lula quase lá” não foi somente removido, mas a condição de possibilidade deste sentido teve sua continuidade rompida e, após o acontecimento histórico de sua eleição, Lula deixou de estar quase lá para definitivamente estar no Palácio do Planalto.

Considerações finais

Os exemplos de Indursky e Rassi foram centrais para entender a ligação entre o acontecimento histórico e o acontecimento discursivo. O primeiro é a chama da produção do segundo, que não acontece sem o suporte material da realidade. Para entender as mudanças discursivas e as rupturas na memória, é necessário o uso do conceito de acontecimento discursivo que funciona como norte para identificar as derivas possíveis de sentido num enunciado determinado ou numa série enunciativa.

Referências

[1] PÊCHEUX, M. O discurso: estrutura ou acontecimento. Tradução: Eni
Puccinelli Orlandi 4ª edição. Campinas, SP: Pontes Editores, 2006, p. 17.

[2] INDURSKY, F. Lula Lá: estrutura e acontecimento. In: Organon 35, v. 17, Revista do Instituto de Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2003, p. 103.

[3] PÊCHEUX, M. Papel da Memória. IN: Papel da Memória. Pierre Achard et al. Tradução: José Horta Nunes. 1ª edição. Campinas, SP: Pontes, 1999, p.52-53.

[4] PÊCHEUX, M. Papel da Memória… p.53.

[5] INDURSKY, F. Lula Lá: estrutura e acontecimento… p.107.

[6] RASSI, A. Do acontecimento histórico ao acontecimento discursivo: uma análise da “Marcha das vadias”. Revista de História da UEG – Goiânia, v.1, n.1, p.43-63, jan./jun. 2012.

[7] PÊCHEUX, M. Papel da Memória… p.49.

[8] RASSI, A. Do acontecimento histórico ao acontecimento discursivo: uma análise da “Marcha das vadias”… p.48-49.

[9] INDURSKY, F. Lula Lá: estrutura e acontecimento… p.110.

[10] INDURSKY, F. Lula Lá: estrutura e acontecimento… p.111.

Deixe uma resposta